25 de Janeiro de 2010 19:34:25
%{artist} - %{title} , (%{year}) (%{time})
    PodCast Ariquemes 190 -- Play para ouvir
Carregando %{time1} de %{time2} (%{percent}%)
  ---  
0:00

This is a normal list of HTML links to MP3 files, which jsAMP picks up and turns into a playlist.

Assembleia Legislativa
SÃO LUIZ CALÇADOS
Sobreira
Lojas Milla
Romera

Início » Notícias » Brasil » Exibindo Notícia

LC Turismo – Click no Banner

Data: 28/08/2017 Compartilhe esta notícia

SÃO PAULO: Peixes de Rondônia são tema de evento na Fiesp

Peixes de Rondônia: evento apresenta tambaqui e pirarucu (Divulgação/Veja SP)
 
Tambaqui e pirarucu. Com a missão de divulgar esses peixes amazônicos ainda pouco consumidos em São Paulo, a Superintendência de Desenvolvimento de Rondônia tomou uma iniciativa especial. Reuniu na última terça (22), na Fiesp, convidados, entre chefs e empresários paulistas do setor, para apresentar os nobres pescados de rio. O encontro foi comandado pela chef Cléo Ressetti, especialista em peixes da Amazônia e consultora do Sebrae Rondônia há mais de uma década.
No evento, intitulado Peixes de Rondônia, a demonstração de diferentes tipos de preparo com as espécies típicas dos rios do norte do país foi seguida da degustação dos pratos. Entre eles hambúrguer, quibe, ceviche, risoto e até carpaccio de pirarucu, receita que impressionou a chef baiana Ina de Abreu, do contemporâneo Mestiço. “O carpaccio é rosadinho e tem um sabor incrível”, avalia a tarimbada cozinheira.

Versatilidade dos peixes amazônicos: carpaccio de pirarucu (Divulgação/Veja SP)

 

Para Ina, há uma infinidade de possibilidades de pratos que podem facilmente fazer parte do cardápio de seu restaurante. “Já pedi amostras para começar a utilizar”, adianta. Ressalta ainda a importância de acabar com o preconceito em relação ao peixe de água doce, hoje criado em cativeiro, com processos controlados de cultivo que impedem o gosto de terra característico dessas espécies.

Rondônia é líder na produção nacional de peixes em água doce desde 2014. Segundo a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), a quantidade ultrapassa 80.000 toneladas por ano e deve atingir a marca de 100.000 toneladas em 2017. Desse total, por enquanto, apenas 1.200 tonelada são consumidas na capital. Com ações promocionais como essas, o panorama tende a mudar com mais peixes amazônicos na mesa dos paulistanos.

Chef Cléo Ressetti: especialista em peixes amazônicos (Divulgação/Veja SP)

 

Basílio Leandro de Oliveira, superintendente da SUDER (Superintendência de Desenvolvimento do Estado de Rondônia) reforça a intenção de apresentar esses peixes e introduzi-los em São Paulo, que é o maior mercado consumidor do Brasil.
O próximo encontro, semelhante a esse, já tem data para acontecer. Em setembro, Lima, no Peru, recebe a visita dos representantes de Rondônia, com a intenção de expandir as exportações do setor. Outro evento está programado para outubro em São Paulo. Desta vez, em parceria com a CEAGESP, a SUDER promove degustações e rodadas de negócios entre produtores e futuros compradores.
 
 
Fonte: VEJA SÂO PAULO
Data: 28/08/2017 Compartilhe esta notícia
Tigrão Veículos
Rondon Cap
Novalar
Axis
Farmácia Paraná

www.ariquemes190.com.br
Copyright © 2008 - 2017 Todos os direitos reservados

Site desenvolvido por Softwei, Buscazip, Guiaking Empresas