25 de Janeiro de 2010 19:34:25
%{artist} - %{title} , (%{year}) (%{time})
    PodCast Ariquemes 190 -- Play para ouvir
Carregando %{time1} de %{time2} (%{percent}%)
  ---  
0:00

This is a normal list of HTML links to MP3 files, which jsAMP picks up and turns into a playlist.

Natal Vereador Eronildo
Casa do Relojoeiro
Farmácia Paraná
Natal Colégio Dinâmico
Natal Lucas Follador
Romera
Sobreira
Natal Displaron
Vereador Vanilton Cruz
Natal F e G Compressores
SÃO LUIZ CALÇADOS
Natal Vereador Capitão Levi
Natal Lotérica Ariquemes
Novo Mundo

Início » Notícias » Estudos Bíblicos » Exibindo Notícia

Alex Redano Natal

Data: 09/12/2015 Compartilhe esta notícia

 

APRENDENDO A DISCERNIR

 

Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são ocultas. Salmos 19:12.

Saber discernir é fundamental para saber escolher. Sem discernimento não há possibilidade de crescimento espiritual. Como temos visto, nesses estudos, é mais útil ter discernimento do que ter cultura. Uma pessoa cheia de conhecimento, mas desprovida da capacidade para distinguir a religião do evangelho é uma tragédia.

Há muita gente na igreja que pensa: - humanismo é o mesmo que cristianismo. Isso é o cúmulo da ignorância espiritual. Para o sábio Paul Kurtz, o humanismo não pode, em nenhum sentido razoável, ser considerado por alguém que ainda creia em Deus.

Protágoras de Abdera, na Trácia, foi o sofista que cunhou uma frase, que tem mantido por séculos,a tese humanista clássica: O homem é a medida de todas as coisas, das coisas que são, enquanto são, das coisas que não são, enquanto não são. Tudo que ele quis dizer foi: o homem é a régua que mede tudo e tudo só pode ser avalizado por ele.

O humanismo propõe ao homem ser como Deus, destronando o próprio Deus de Seu trono. Essa é a velha proposta da serpente. Quando o ser humano se basta, Deus é descartado. Porém, como diz Richard Cecil, “constrói coisa muito pobre quem constrói abaixo dos céus”, ou seja: desconsiderar a Deus é suicídio intelectual e arrogância moral.

O erro mais terrível do ser humano é achar que ele se basta. Mas, quem pode discernir os próprios erros? Quem, de fato, se acha bastante, tendo a morte como seu limite? Mesmo assim, a soberba é a nossa conselheira astuta, por isso o salmista suplica: Também da soberba guarda o teu servo, e que ela nunca me domine; então, serei irrepreensível e ficarei livre de grande transgressão. Salmos 19:13.

Deus tornou-se um homem para destronar o humanismo que pretende fazer do homem, Deus. Jesus era Deus encarnado, desencarnando a pretensão do homem de ser como Deus. A cruz foi o patíbulo que sacrificou essa arrogância pelos tronos. Como dizia Thomas Brooks, “as doutrinas humanas não contêm poder para humilhar”, e, destituídas de humildade, não podem trazer libertação para a soberba do pecado.

O humanismo entrou na igreja, não através desses pecados sórdidos, mas dos pecados nobres. O maior perigo não está na prostituição carnal, embora isso seja terrível. O grande risco da santidade é a altivez espiritual no adultério idólatra do egoísmo. Creio que o maior risco que enfrentamos na igreja são os humanistas travestidos de cristãos.

A sinagoga de Satanás ou a escola do humanismo, fez parte de duas igrejas do Apocalipse que não tiveram repreensões. As doutrinas de demônios não vêm da feitiçaria; estas, são obras da carne, mas da nobreza e arrogância. Os pecados declarados nobres, são insuspeitos. A justiça própria é vista como uma qualidade e nunca como um defeito. Meus irmãos, o maior perigo é a hipocrisia, quando se é santo apenas na vitrina.

Já vimos, nesses estudos, que o técnico do humanismo é Satanás. Jesus foi suficientemente claro ao dizer a Pedro estas palavras: Arreda, Satanás! Tu és para mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e, sim, das dos homens. Mateus 16:23. Deus ama os homens e quer libertá-los da soberba. Satanás só se importa com os homens para incitá-los a serem como Deus. É uma questão de rebelião.

O humanismo está voltado para os valores do homem, sem a dependência de Deus. Segundo L. Nelson Bell,”os cristãos precisam reconhecer o fato solene de que:- o humanismo não é um aliado na busca de um mundo melhor para viver. É sim um inimigo mortal, pois é uma religião sem Deus e sem esperança neste mundo e no próximo”.

O humanismo é uma religião sem o Deus da criação, mas com um deus criado e prepotente, definindo o que deve ser. O ser humano deificado é um deusinho déspota e arrogante, que faz da moral correta o seu padrão de aceitação. Embora, o que vale, é a pura e ilusória aparência. A velha hipocrisia patrocina tudo na religião humanista.

Alguém já disse que o humanismo e o cristianismo têm algumas coisas válidas em comum: a bondade, por exemplo. Só que, no humanismo, a bondade é aparente e se propagandeia, enquanto na legítima fé cristã, ela é autêntica e sem qualquer necessidade de se exibir. Uma mão dá a esmola e a outra não sabe. Não existe relatório, só realidade.

Quando um ser humano, pela graça do Pai, ganha a revelação de sua co-morte juntamente com Cristo, seu modo de viver agora é a vida de Cristo, coletivamente voltada para a glória de Abba. Não existe cristão desmembrado do corpo de Cristo e nem esnobe. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus. Mateus 5:16.

Jesus não disse: tu és a luz do mundo, mas vós sois a luz. Há uma única luz, que é Cristo, brilhando coletivamente em várias velas, onde alguém não é superior a ninguém. A única luz irradiada por muitos cristãos faz com que se vejam as boas obras e ao mesmo tempo se possa glorificar Àquele que as preparou para que andássemos nelas.

Cristão sem fruto é falso, mas, o cristão que alardeia os seus frutos, também é falso. A fé sem obras é morta. Tiago 2:26b, bem como aquela que propaga suas obras para ser reconhecida pela platéia, também é morta. Um humanismo-cristão se caracteriza pela exposição de suas obras, enquanto o cristianismo humano pela frutificação saudável para a glória de Deus. Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis. Mateus 7:20.

Todo cristão verdadeiro é frutífero, mas nenhum é fanfarrão. Todo humanista de verdade é, também, realizador, porém, a sua preocupação fica com a sua visibilidade.

Um cristão faz o que faz, como cristão, pela graça, mas o humanista, pelo seu muque. O cristão, neste caso, adora a Deus. O humanista se exibe e busca ser adorado. O cristão sai de cena e glorifica a Deus, enquanto o humanista entra em cena e requer a glória para si. O primeiro se prostra, quebrantado; o segundo se promove, exaltado.

Outra característica diferente entre o humanista e o cristão é o uso da razão. O humanista insatisfeito tenta colocar o Deus infinito dentro da sua razão finita, enquanto o cristão contente coloca a sua razão finita à serviço do Deus absoluto em adoração.

Para o humanista a fé é irracional, por isso, ele a desconsidera. Para o cristão, a fé é sempre supra-racional, portanto, ele vive por ela. Como dizia Sto. Agostinho: “Deus não espera que lhe submetamos nossa fé sem o uso da razão, mas os próprios limites de nossa razão fazem da fé uma necessidade”.

A fé que não provém da razão é duvidosa, e a razão que não leva à fé deve ser temida, sustentava G. Campbell Morgan. Fé e razão nunca se repelem, ainda que a razão jamais possa explicar a fé, e essa, não se limite ao perímetro de um cérebro genial.

C. Colton dizia com propriedade milimétrica: “aquele que deseja crer apenas no que pode compreender totalmente, deve ter um cérebro muito grande ou um credo muito pequeno”. Tanto a razão limitada como os sentimentos volúveis não podem servir de pano de fundo da verdadeira experiência espiritual de fé. Os humanistas, na igreja, usam quase sempre a emoção como se fosse fé, e, com isso, confundem a comoção com a confiança.

Há um texto sobre emoção que é muito esclarecedor, falando da crise de Esaú. Pois sabeis também que, posteriormente, querendo herdar a bênção, foi rejeitado, pois não achou lugar de arrependimento, embora, com lágrimas, o tivesse buscado. Hebreus 12:17. Certamente essa emoção não autentica a fé.

As lágrimas de Esaú não foram suficientes para que desfrutasse do verdadeiro arrependimento, do mesmo modo que a emoção não é atestado fiel de autêntica fé. Por outro lado, precisamos sempre observar que a fé não precisa de prova e que os milagres não produzem fé. Eles podem ser produtos da fé, mas não servem para produzir a fé.

Volto a martelar. A soberba é difícil de ser percebida. Muitas vezes, e até com sinceridade, estamos pensando sob a ótica cristã, mas movidos por desejos humanos. É frequente observarmos o comportamento aparentemente cristão promovido por um estilo de humanismo domesticado, contudo, com as sutilezas da soberbia.

A mais perigosa de todas as comparações entre o humanismo e o cristianismo é a humildade. Muitos humanistas até se desestimam em público, mas nos bastidores se projetam, chamando a atenção para os seus feitos. Mas, lembre-se: quanto mais elevado estiver o homem na graça, menor ele será a seus próprios olhos. C. H. Spurgeon.

Portanto, sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos. Romanos 12:16.

“A ambição é miséria enfeitada, veneno secreto, praga oculta, executora do engano, mãe da hipocrisia, progenitora da inveja, o primeiro dos defeitos, ofensora da santidade e aquela que cega os corações, transformando medicamentos em doenças e remédios em males. Os lugares altos nunca deixam de ser incômodos, e as coroas estão sempre repletas de espinhos”, disse, com muita sabedoria, Thomas Brooks.

“Depois do espírito de discernimento, o que há de mais raro no mundo são os diamantes e as pérolas”, dizia Jean de la Bruyere. E eu insisto, se alguém nos enganar a culpa é, de fato, nossa e bem nossa. Assim digo para que ninguém vos engane com raciocínios falazes. Colossenses 2:4. Lembre-se disso: o enganado é tão culpado do seu engano como o enganador. Portanto, não se deixe enganar nem engane ninguém.


palavradacruz.com.br

Data: 09/12/2015 Compartilhe esta notícia
Natal Vereador Joel da Yamaha
Axis
Novalar
Lojas Milla
FAEL
Natal Vereador Amorim
Natal Vereador Loro
Natal Farmácia São Paulo
Natal Vereador José Augusto
Natal Daltiba
Natal Vereador Renato Padeiro
Tigrão Veículos
Rondon Cap
Açaí Gold e Peixe e Cia
Natal Vereador Natan Lima

www.ariquemes190.com.br
Copyright © 2008 - 2017 Todos os direitos reservados

Site desenvolvido por Softwei, Buscazip, Guiaking Empresas